Fast volta ao Brasileiro, após 8 anos, ‘tranquilo e favorável’

Depois de quebrar um longo jejum sem título no Estadual, Rolo Compressor, agora, usufrui do direito de disputar a Série D. Primeiro adversário é o Baré, fora de casa, neste domingo

Diogo Rocha / portal@d24am.com

o Experiente Wagner Diniz, de 33 anos, disputará a Série D do Campeonato Brasileiro pela primeira vez.
Foto: Reinaldo Okita

Manaus – Após um intervalo de oito anos, o Fast Clube volta a disputar uma divisão do Campeonato Brasileiro, mas debutando na Série D do Brasileiro. Neste domingo, o Tricolor enfrenta o Baré-RR, no Estádio Roberto Marinho, em Boa Vista (RR), às 17h30 (de Manaus), pelo Grupo A2. E, além do Baré, a equipe amazonense vai encarar o São Raimundo-PA e o Gurupi-TO, na primeira fase.

Na última edição do Brasileiro em que disputou um acesso, o Rolo Compressor estava na Série C, em 2008, já que a Quarta Divisão seria criada apenas em 2009. Em 2007, o Fast também entrou na ‘Terceirona’ e tinha como técnico Donmarques Mendonça, que, neste ano, pela segunda vez, acumula função de dirigente (vice-presidente de futebol) e treinador. Mas na referida Série C, o cartola-técnico assumiu a preparação do time na 3ª fase e por quatro jogos.

“Eu já ganhei uma certa experiência (como técnico) e trabalho com futebol há muitos anos. Tenho um plantel que conheço e sei o potencial de cada um. O ambiente no clube é muito positivo e harmonioso, acabou com o disse-me-disse (da época do demitido técnico João Carlos Cavalo), é um grupo unido e focado”, afirmou Mendonça, que fez cursos online para técnico de futebol.

Atual campeão amazonense, depois de quebrar um jejum de 45 anos sem títulos, o Fast investiu para buscar bi no Estadual e ter força para brigar pela ascensão no Brasileiro. Com um elenco de 30 jogadores e recém-reforçado por atletas do Holanda (goleiro Douglas) e do Rio Negro (volante Leandro), o lateral Wagner Diniz e o atacante Leonardo, o Tricolor conta com o clima amigável para se destacar.

Como pouca experiência profissional no cargo, o técnico Donmarques Mendonça preferiu usar mais a estratégia motivacional para a estreia. Na parte tática, ele afirmou que manterá o esquema 4-2-3-1. O atacante Charles Chenko, que ainda se recupera de uma lesão sofrida na cabeça, segue como única baixa do Fast para o início da Série D.

E há apenas seis dias no Fast e já regularizado, o experiente lateral-direito Wagner Diniz, 33, será o grande reforço do clube na Série D. Ele viajou com o grupo para a Boa Vista e, caso não seja titular, deve entrar no decorrer do jogo. Com a carreira formada em clubes da Séria A do Brasileiro, Diniz, 33, se destacou no Vasco da Gama, entre 2005 e 2008, e teve passagens pelo São Paulo, Santos e Atlético Paranaense.

“O Fast toca bem a bola e chega ao ataque. Espero explorar essas jogadas rápidas quando tiver oportunidades, que às vezes não dá para o árbitro acompanhar e acaba resultando em pênaltis ou gols”, prometeu Diniz.

Adaptado ao futebol do Amazonas, após defender o Rio Negro, na fase classificatória do Estadual, o lateral disputará, pela primeira vez, a Quarta Divisão. No Rolo Compressor, com exceção dos colegas de equipe do Galo, que também foram para o Fast, Diniz não conhecia os jogadores.

“Mas estou animado pelo grupo. Não conhecia ninguém, só de jogar contra, no Estadual. Sei que os atletas que chegaram darão sempre o melhor e, claro, que cada divisão (do Brasileiro) tem diferenças. Só que agora é o melhor momento, divisão e ambiente de trabalho”, disse Wagner Diniz, que ainda espera conseguir uma proposta de um clube das Séries A ou B.

Comentários via Facebook